Documento sem título
dermatologista
dermatologistaDermatologista em Porto Alegre.tratamento da peleTratamento com dermatologista em Porto Alegre. Centro Clínico Mãe de Deus.

Tratamento da Acne em Porto Alegre


Acne e tratamentos:

acne chega a afetar 80% dos adolescentes e adultos jovens com idades entre 11 e 30 anos, fator que caracteriza a doença como sendo extremamente comum. Ainda que a grande maioria — dois terços — dos pacientes afetados apresente a acne com curso autolimitado, ou seja, manifesta e desaparece de forma natural, existem pessoas que necessitam de maior atenção quanto à sua evolução. Deve ser feita a observação de modo a evitar que essa evolução caminhe para formas mais graves de acne com cicatriz. Esses fatores definem a acne não mais como uma doença autolimitada, mas sim, como uma doença crônica.

Para definir o grau de cronicidade da doença são observadas características como o curso prolongado, padrão de recorrência e remissão, manifestação de surtos agudos ou início insidioso e impacto psicossocial de modo a afetar a qualidade de vida do paciente.

Ainda não existe consenso sobre quais pessoas desenvolverão o curso considerado crônico desta doença, entretanto, alguns fatores foram relacionados à cronicidade da acne, tais como a produção de andrógenos adrenais relacionados ao estresse, colonização pelo Propionibacterium acnes, antecedentes na família e alguns subtipos específicos como a conglobata, queloidiana, inversa,cloracne, androgênica.

Sua fisiopatia de dá em quatro (4) fatores que interagem entre si de forma complexa: hiperqueratinização folicular, aumento da produção sebácea, colonização bacteriana, e resposta imunológica e inflamatória. Os dois primeiros são considerados os mais importantes, porque são eles que formam a lesão que dá inicio à acne, o microcomedão. Este pode evoluir para a lesão inflamatória, o comedão, ou, também, para uma lesão com inflamação ou lesões inflamatórias, tais como a pápula, pústula ou os nódulos.

Em um folículo em seu estado normal é comum que os queratinócitos descamem como células únicas para o lúmen folicular e, posteriormente, sejam excretadas. Na acne, acontece a hiperploriferação dos queratinócitos, que descamam em agregados densamente compactados, assim a comedogênese acontece no momento em que os corneócitos se acumulam no lúmen folicular. Invisível a olho nu, o micromedão é a lesão inicial existente em toda a acne. Ao acumular lipídios, bactérias e resíduos celulares, ocorre a formação do comedão, uma lesão aparente que pode estar aberta ou fechada. Caso aconteça a proliferação do P. acnes e a liberação dos mediadores inflamatórios, surgirão as lesões inflamatórias.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS:

Manifestações clínicas da acne são apresentadas de duas formas. Ela pode ser não inflamatória em forma de comedões fechados ou abertos; ou se apresentar como uma lesão inflamatória, como pápulas, pústumas, lesões císticas e nódulos.

CLASSIFICAÇÃO:

Ao classificar a acne, não existe ainda uma padronização, porém, de maneira simples se classificam em quatro (4) tipos.

1. Acne comedoniana ou não inflamatória são lesões onde o que predomina são os comedões, estes podem ser abertos ou fechados.

2. Acne papulopustulosa é quando acontecem as lesões inflamatórias, papulopostulosas e com comedões. Esta pode ser classificada como leve, moderada ou grave.

3. Acne nódulo-cística é quando, além de comedões, existe a presença de nódulos e lesões císticas.

4. Acne conglobata é uma forma bastante grave da acne, onde se somam ao quadro anterior, nódulos purulentos, numerosos e grandes, levando à formação de abcessos e fístulas que acabam por drenar o pus.

Em todos os casos é recomendado o tratamento precoce desta doença, para que, dessa forma, sejam minimizados os danos físicos à pessoa, bem como, evitar os danos psicológicos. Veja a seguir algumas maneiras de tratar a acne.

Os tratamentos tópicos da acne objetivam a remoção do excesso de sebo da pele. É simples na hora de aplicar, existindo no mercado uma grande variedade de sabões, loções, soluções e géis. E preciso, entretanto, ter cuidado com o uso excessivo destes produtos, uma vez os mesmos podem causar o efeito de rebote e produzir ainda mais sebo, além da possibilidade de levar à irritação da pele. Os retinóides: Substâncias com ação anticomedoniana, úteis em todos os formatos de acne, em monoterapia ou para utilização associada a outros princípios ativos. Uma grande parte dos pacientes se beneficia com este tipo de tratamento com uso de retinóides. Eles agem diretamente no microcomedão que é responsável por todas as outras manifestações da acne.

Veja as várias atuações dos retinóides no combate à acne: Inibe a formação e a redução da quantidade dos microcomedões;
Reduz os comedões que já estão maduros;
Reduz as lesões inflamatórias;
Normaliza a descamação epitélio folicular;
Ao exemplo do adapaleno, alguns possuem ação anti-inflamatória;
Potencializam e ajudam na penetração de outras medicações;
Inibem a formação de novas lesões.
Este é, portanto, um tratamento que deve estar na primeira linha de abordagem da maior parte dos pacientes que apresentem acne, podendo ser utilizados sozinhos ou em associação a outros medicamentos.

Peróxido de benzoíla:

Agente antimicrobiano tópico com ação bactericida, chegando a ser mais potente que muitos antibióticos. Sua aplicação reduz em 90% a P.acnes e em 40% os ácidos graxos, quando comparados ao uso de antibióticos para a obtenção destes mesmo efeitos.

Ácido Azelaico:

Eficaz na utilização sob a acne papulopustuloza.

Antibióticos tópicos:

Este têm ação mais lenta e, na maioria das vezes, menos eficaz que os antibióticos via oral. Geralmente, não se recomenda que os antibióticos tópicos sejam usados como monoterapia, em razão do início lento de ação e possibilidade de gerar resistência bacteriana.

Presente, geralmente, em cremes e produtos de limpeza, o ácido salicílico tem ação comedolítica.

Antibióticos orais: 

Utilizado na acne inflamatória, de moderada à grave. O P. acnes está relacionado com o desenvolvimento das lesões inflamatórias e sua redução é sinônimo de um tratamento bem sucedido. Neste contexto, os antibióticos representam um importante papel antibacteriano para o tratamento.

Resistência bacteriana:

Ainda que a resistência ao P. acnes não tenha sido estudada à sua exaustão, uma revisão sistemática realizada no ano de 1998, apontou uma clara associação entre a resposta terapêutica pobre e P. acnes resistentes ao antibiótico. Hoje, verifica-se um número crescente de pacientes que são resistentes aos antibióticos, alguns deles antes mesmo de iniciar a terapia.

TRATAMENTO COMBINADO:

Com o tratamento combinado é viável atuar com os retinóides no microcomedão — lesão precursora — o mais cedo possível junto a terapias aintibacterianas (antibióticos, tanto orais quanto tópicos) até a melhora das lesões inflamatórias, para que depois se suspenda o antibiótico, permanecendo os retinóides como terapia de manutenção. Dessa forma, o tratamento tem minimizado o uso do antibiótico e, também, diminui as chances de ocorrer uma resistência bacteriana.

TRATAMENTO HORMONAL:

Este tratamento consiste na ingestão de contraceptivos orais de modo a neutralizar os efeitos dos hormônios masculinos.

TRATAMENTOS COM USO DE LUZ, FOTODINÂMICA E DEMAIS TECNOLOGIAS:

A luz pode atuar de duas maneiras no tratamento da acne. Sendo que a radiofrequência, a fototerapia e o laser são úteis somente como tratamentos complementares, de modo que não devem ser utilizados como primeira escolha.

Na redução da P. acnes, se utiliza o mecanismo baseado na produção de porfirinas sensíveis à luz do metabolismo normal, que tem capacidade de absorver a luz em um espectro de 400 nm a 700 nm. Essa absorção vai excitar os compostos porfíricos e induzir a formação de espécies reativa com o oxigênio e radicais livres, podendo danificar os lipídios da parede celular do P. acnes.

Outra função do tratamento com luz é a interferência na função da glândula sebácea, por meio da geração de radicais livres formados de oxigênio para, assim, danificar a glândula sebácea e eliminar, ou reduzir, a secreção sebácea por um longo período.

ACNE E A ALIMENTAÇÃO:

É muito antiga a preocupação dos pacientes quanto à percepção do aumento da incidência de acne ao ingerir determinados alimentos. No entanto, todos os estudos na tentativa de demostrar e provar essa associação até os dias de hoje foram inconclusivos. Porém, existem algumas suposições.

Alguns estudos observacionais de grande porte, controlados, acabaram por demonstrar que quem possui uma dieta com alto consumo de produtos derivados do leite, poderia ter maior risco de aparecimento e gravidade da acne. Nenhum estudo estabeleceu relação direta entre o consumo de chocolate e a acne, gordura saturada ou sal.

TRATAMENTOS COMPLEMENTARES DA ACNE:

São vários os tratamentos alternativos para o controle da acne nos pacientes que podem ser realizadas em conjunto com os medicamentos. São eles:

Extração manual de comedões;

Punção ou drenagem de pústulas, nódulos e pseudosístos;

Infiltração intralesional de corticoesteroides nos nódulos, pseudocistos e cicatrizes .

Para as cicatrizes: peelings químicos, dermabrasão, laser, excisões cirúrgicas, subincisão, preenchimento cutâneo, entre outros;

Para hipercromias pós-inflamatórias: agentes clareadores e os peelings químico.

Maquiagem como forma de camuflar os efeitos deixados na pele.


Menino Deus
Centro Clínico Mãe de Deus 
Endereço: Rua Costa, 30. Conj. 504. Bairro Menino Deus. Porto Alegre.
Telefone: 55 (51) 3230-2689

A Dermatologia

A dermatologia é área da medicina dedicada exclusivamente aos cuidados do maior órgão do corpo humando, a pele. Além deste, a dermatologia também é responsável pelo diagnóstico de doenças que atingem as mucosas e das sexualmente transmissíveis, sendo portanto, também chamada de dermatovenereologia.